Retornando nossas conjecturas, lembramos que os comportamentos excêntricos, pode-nos levar a pensar em transtorno esquizotipico (CID-10 pg.94/95). Nesse quadro os afetos se apresentam parecidos com os do alexitimicos (frios e pouco expressivos na fala), pois os “esquizotipicos” tem esse afeto um tanto constrangido. Sua aparência é bem diferente, estranha ou excêntrica, (a do esquizotipíco) e […]

Leia mais

Os profissionais da saúde, antes de concluírem o CID-10 e o DSM-5, fazem também testes de campo, frente a frente com a realidade, e se baseiam, nos fatos e não só nas percepções, e assim organizam suas classificações. O que nos fascina é a constante abertura da ciência para novas possibilidades de verdades ou realidades, […]

Leia mais

O termo “esquizofreniforme” tem sido utilizado, nas ultimas décadas para definir “misturas de características” e “sintomas atípicos”, visto como um “termo de inclusão relevante” para se compreender comportamento evidentes de transtorno temporário (pg.12) CID-10. Não necessariamente a esquizofrenia passa a definir em crianças desde o inicio da vida. É necessário levar em conta as fases […]

Leia mais

A Classificação Internacional das Doenças (CID), como resultado de trabalho intensivo de diferentes especialistas, tem oferecido base forte sobre os inúmeros transtornos, permitindo a facilitação de diagnostico mais precisos no campo da saúde. A Esquizofrenia tem sido, ao longo do tempo, considerada rigidamente como psicose; hoje a dicotomia neurose/psicose passou por revisões nos debates e […]

Leia mais

Raiva, medo, alegria, tristeza, são emoções primarias e nem sempre as crianças, mesmo cognitivamente saudáveis, conseguem lidar com elas de forma equilibrada, principalmente quando estímulos familiares e escolares não são saudáveis. Uma criança que se desenvolve numa família onde existem adultos instáveis, numa estrutura onde conflitos são comuns, e elas experimentam a dor da rejeição, […]

Leia mais

A abordagem sobre os transtornos da infância se inicia sempre pelas características da própria infância em seu desenvolver e o ambiente em que cada criança se desenvolve. Essa interação é única, poderosa, marcante, cuja força parece mesmo ficar profundamente imprimida em sua construção personal. Griffa e Moreno (2001) buscaram encontrar o que chamaram de chave […]

Leia mais

Os teóricos Marcelli e Branconnier citam estatísticas reveladoras de que jovens agressores são meninos entre 9 e 17 anos de idade, especialmente entre 9 e 14 anos de idade e, quase todos apresentam transtornos esfincterianos, asma e outros problemas psicossomáticos na infância, alguns deles comprometedores de aprendizagem. Isto mostra que existem antecedentes aos comportamentos violentos; […]

Leia mais

Marcelli e Branconnier dizem que não devemos ver apenas a questão familiar implicada na psicopatologia do desenvolvimento humano; para eles, muito além da privação ou inadequação materna restrita a uma concepção “linear e monocausal” estão às concepções “pluricausais ou multicausais” além do contexto familiar. Isto, de certo modo, invalida nossa intervenção pois não temos como […]

Leia mais

Encontramos a todo tempo, nas escolas e nas situações sociais; casos de maus tratos, não só em classes de níveis educacionais e econômicos mais desfavoráveis, famílias de profissionais com alto nível de educação também apresentam formas educativas ou interativas disfuncionais inadequadas, injustas para com o direito de ser dos seus filhos. A mídia nos tem […]

Leia mais

A psiquiatria está repleta de dados sobre depressão e suicídio na fase da adolescência, bem como de quadros psicóticos, obsessivos ou transtornos diversos ligados a corporeidade ou imagem pessoal (anorexia e hipocondria por exemplo) revelando a intensa dificuldade em fortalecer o ego, proteger e direcionar a vida biopsíquica e social. Evidentemente, as grandes modificações nas […]

Leia mais