AS DISGNOSIAS

►Gnosias – funções operativas corticais ligadas ao conhecimento;

►Disgnosias – alterações ou incapacidades dessas funções. A pessoa apresenta dificuldade na integração de vários e complexos processos operatórios e de esquemas perceptointegrados;

►O processo (gnóstico) de conhecimento é complexo – envolve áreas corticais em discriminações, associações, reconhecimentos com integração de vários esquemas elaborados, numa totalidade cognoscente;

►As disgnosias tátilcinestésicas ou som estésicas – implicam em alterações ou incapacidade perceptiva da sensibilidade corporal, como a tátilcinestésica e seu consequente reconhecimento (Exemplo: não identifica o toque de uma mão nas costas);

►Disgnosia auditiva: alteração ou incapacidade de reconhecer sons não verbais, percepção auditiva e sequencial mnemônica relativa a essas inteligibilidade) pode ser causada por atrasos gnósticos ou lesões cerebrais. Ela tem relações com dificuldades de linguagem e aprendizagem (d-t);

► Disgnosia visual: alteração ou incapacidade gnóstica provocada por uma disfunção ou atraso na aquisição das gnosias visuais (objetos, cores, espaços, etc…). A agnosia refere-se à perda da capacidade de reconhecer, discernir, identificar objetos através da visão, com ausência de alterações visuais e mentais;

►A disgnosia espacial se relaciona com a noção corporal, temporal e de ritmo; podendo trazer torpeza motora (que confunde com a dispraxia);

►As disgnosias podem trazer problemas na leitura, escrita e matemática: como perturbações sensoperceptivas, das integrações viso integradas perturbações do esquema corporal, orientação espacial, análise e síntese, integração parte e todo, simbolizações, linguagens;

►A criança até 9 anos tem altas capacidades na plasticidade cerebral e pode ser facilitada em reconstruções, reorganizações, ressignificações em todas as possíveis disfunções;

►Nesse sentido, o papel estimulante e o sistema de crenças positivo do educador se apresenta como importantíssimo no desenvolver da aprendizagem;

►Diagnósticos e intervenções podem ser concomitantes com trabalhos multidisciplinares, com ênfase no pedagógico;

►O prognóstico costuma ser favorável a aquisições positivas de conhecimento (gnosias) pelos alunos, a partir dos diagnósticos e intervenções pedagógicas;

►Lembrar que o processo gnóstico é complexo, envolve sensações transduções, organizações, efetivações ou práticas – necessitando associações, reconhecimento, identificação e integração de vários e elaborados esquemas afetivo e cognitivos e experiências.

Publicação sugerida pelo autor.

7 Comentários Respondidos

  • Gláucia  19 de março de 2017 em 15:24

    Pelo que entendi a afetividade é um grande colaborador no processo de intervenção e diagnóstico.

    Responder
  • MAYARA  19 de março de 2017 em 17:46

    Acho muito importante quando se trata da questões visuais daqueles que realmente tem estas dificuldades em visão e dentre outras mais específicas.É uma das dificuldades que admiro muito, porque além de apresentar essas dificuldades seja quais elas forem , a força de vontade o auxílio é muito valoroso.

    Responder
  • Joselia  23 de março de 2017 em 17:49

    Penso que devemos estar bem fundamentados nesse assunto para ter essa percepçao. O diagnostico e a intervenção pedagogica tem um papel muito importante nessa questao pois e com atividades e estimulos que temos o desenvolvimento da aprendizagem.

    Responder
  • Karoline  23 de março de 2017 em 18:45

    Tema muito importante que os educadores precisam saber, para auxiliar seus alunos . entendi que a intervenção pedagógica é de extrema importância no processo de desenvolvimento da aprendizagem.

    Responder
  • Andreia Ferreira Teixeira Freitas  5 de dezembro de 2017 em 21:49

    Gnosias e disgnosias.Tanto os termos como os temas são novos para mim, mas entendi que as crianças portadoras das disgnosias não conseguem ter o reconhecimento nas diversas operações de percepção realizadas pelo corpo humano, isso com certeza acarreta um grande prejuízo para o desenvolvimento da aprendizagem. Mas a plasticidade cerebral intensa até os nove anos, possibilita grande expectativas para o desenvolvimento desse educando e também uma positividade para o trabalho do educador.

    Responder
  • Cristina Pereira Gomes de Azeredo  10 de dezembro de 2017 em 21:33

    As disgnosias podem comprometer a leitura, a escrita e a matemática.Assim, o educador pode exercer um papel muito relevante no desenvolvimento da aprendizagem, atuar sobre os estímulos.O diagnóstico e as intervenções devem acontecer através de trabalhos multidisciplinares.

    Responder

Deixe um comentário

Por favor, insira seu nome. Por favor, indique um endereço de email válido. Por favor, indique uma mensagem.