Ao contrário do que muitos pais e educadores pensam, o não

aprendizado, na grande maioria das vezes, não é sinônimo de preguiça.

É comum vermos crianças e adolescentes estigmatizados e culpados pelo insucesso nas atividades escolares. Sem muito critério, não nos atentamos que o baixo rendimento escolar pode ter sua causa em uma desordem com características específicas que afetam a cognição, impedindo o avanço escolar.

Nas palavras do Dr. Vitor da Fonseca, o Distúrbio de Aprendizagem está ligado a “um grupo de dificuldades pontuais e específicas, caracterizadas pela presença de uma disfunção neurológica”.

Compreendidos como Transtornos do Neurodesenvolvimento, segundo o DSM-V, os Transtornos Específicos da Aprendizagem obedecem a características específicas. O diagnóstico dos Transtornos de Aprendizagem não é simples e requer uma avaliação cautelosa multidisciplinar sendo, de grande importância, a avaliação Psicopedagógica.

Pais e professores devem ficar atentos aos sinais que apontam falta de desempenho escolar satisfatório. Os prejuízos na leitura, na expressão escrita, na gramática e na matemática podem ser indícios de Dislexia, Disgrafia, Disortografia ou Discalculia.

Dislexia: prejuízo na leitura
Disgrafia: prejuízo na expressão escrita
Disortografia: prejuízo na gramática
Discalculia: prejuízo na matemática

 

Publicação sugerida pelo autor.

Sem Comentários

Você pode postar o primeiro comentário.

Deixe um comentário

Por favor, insira seu nome. Por favor, indique um endereço de email válido. Por favor, indique uma mensagem.