A infância é uma fase complexa de construção e desenvolvimento de potenciais, nos diferentes aspectos da vida humana. A criança possui ordens básicas e inatas de sobrevivência, crescimento e desenvolvimento, mas necessita do ambiente nutridor para que possa garantir sua luta de sobrevida.

Aspectos biofísicos, motores, os intelectuais e psíquicos, os afetivos e emocionais, os sociais e culturais, sempre estão em dependência e interdependência na sua interação com o ambiente onde se desenvolve.

Embora exista a ordem biológica e expansiva de vida, quando esta vida perde seu sentido e motivo de luta e continuidade, a força do retorno anterior ao nascimento parece se impor, talvez como uma forma extrema de fugir ou evitar a dor. Freud, há mais de 100 anos nos alertou para os princípios de vida (Eros) e tanatos (morte ou retração) inerentes ao ser vivo.

Nem sempre a dor, o sofrimento, a frustração, o sentimento de impotência ou insignificância, podem ser bem trabalhados, com sucesso, nos esforços da criança que ainda não sabe bem como utilizar a resiliência.

Nem todas as crianças superam ou sucumbem a um conjunto desesperador de emoções, sentimentos, vivências traumáticas nos esforços de vida e construção de sua identidade.

Parece incrível, mas as crianças também têm depressão; por muito tempo acreditávamos que só os adultos vivenciavam essa “doença”, e hoje, a ciência nos mostra essa realidade de forma assustadora.

Teixeira (2013) considera a depressão como um “transtorno incrivelmente incapacitante e grave” na infância e adolescência. Mostra a tendência da apatia, da tristeza e do isolamento. Uma atitude frágil substitui a alegria, a confiança, expansões próprias da infância, com prioridades para o desprazer e a desesperança do viver.

“A depressão infantil atinge aproximadamente 1% das crianças em idade pré-escolar, 2% das crianças com idade escolar e aumenta para 6% nos adolescentes. (TEIXEIRA,p.92).

O Humor e as relações sociais, bem como o desempenho acadêmico ficam bastante alterados, acompanhados de tristeza, isolamento e desmotivação. Por vezes, surgem com grande irritabilidade, explosões de raiva, desentendimentos em esportes, na hora do recreio, com irmãos em casa, entre outros locais.

A criança costuma ficar entediada e isolada, com grande dificuldade de concentração em atividades como brincadeiras e compromissos de estudo. Teixeira (2013) diz que o seu raciocínio e pensamento ficam lentos”.

Essa letargia parece evidenciar a queda da força expansiva e motivadora da vida. São comuns as queixas que fazem sobre dores, cansaço, insônia e até o choro.

O comportamento isolado, muitas vezes, conduz à forte quebra na comunicação, expressões verbais e físicas, em que nem a dança ou esporte parecem ser estimulantes.

“Pensamentos recorrentes de morte, ideias e planejamento de suicídio parecem estar presentes em todas as idades, e os atos suicidas tendem a ocorrer mais em adolescentes”. (TEIXEIRA,p.93).

Por vezes é difícil descobrirmos as causas da depressão. As causas podem ser múltiplas; desde as tendências genéticas aos fatores funcionais e ambientais. Sabe-se que pais depressivos tendem a ter filhos com essa probabilidade, mas há também questões bioquímicas intervenientes nesse acontecer, além das vivencias desabonadoras da autoestima e do desejo de vida.

Publicação sugerida pelo autor.

82 Comentários Respondidos

  • Eliana Azevedo Morellato Trancoso  6 de junho de 2017 em 12:34

    EXCELENTE TEXTO, E REALMENTE DE SUMA IMPORTÂNCIA TODAS ESSAS INFORMAÇÕES. POR SER TRATAR DE UMA DOENÇA TÃO GRAVE. É UM ÓTIMO ALERTA PARA OS PAIS E RESPONSÁVEIS. VALE A PENA RESSALTAR, A NECESSIDADE DO PROFESSOR ESTAR ATENTO A ESSES SINAIS, QUE AS CRIANÇAS APRESENTAM, ASSIM, INFORMANDO IMEDIATAMENTE A FAMÍLIA.

    Responder
    • Lucinea pereira soares  14 de setembro de 2017 em 23:23

      Hoje em dia a depressão atinge adulto e crianças. Pode surgir devido a perda, dos pais,separação ou problemas de saúde mental.Cabe a família estar atento observando o comportamento para obter um tratamento amenizando o problema.

      Responder
    • SUELLY REJANE SANTOS FERREIRA  27 de novembro de 2017 em 19:39

      A depressão infantil certamente é algo preocupante, necessitando de sensibilidade dos adultos para compreenderem quão delicada é essa patologia quando acomete o público infantil. Observar as características comportamentais da criança, pode facilitar para estabelecer uma hipótese diagnóstica que auxilie a diminuir o seu sofrimento psíquico.

      Responder
  • ELISÂNGELA OLIVEIRA LIMA  6 de junho de 2017 em 14:38

    ESTE TEXTO É MUITO INTERESSANTE, POR MEIO DA LEITURA PUDE PERCEBER O QUANTO ESTAMOS EQUIVOCADOS EM NOSSOS PRÉ JULGAMENTOS. A CRIANÇA TAMBÉM PASSA POR CONFLITOS E PRECISAM SER ACOMPANHADAS PARA QUE POSSAM TER UM DESENVOLVIMENTO TRANQUILO E SENTIR-SE AMPARADA NO CASO DE UMA DEPRESSÃO INFANTIL.

    Responder
  • Joselândia de Almeida Barbosa  6 de junho de 2017 em 16:06

    Este texto trás um despertamento para os pais e educadores em geral, pois devido a correria do dia a dia não percebe-se as mudanças do comportamento da criança, sendo assim, logo entra em cena o professor observador, conhecedor do seu aluno, para perceber a queda do rendimento escolar e mudanças no comportamento, havendo uma necessidade de uma parceria da família e a escola.

    Responder
  • Rozineia Ferreira  6 de junho de 2017 em 18:38

    O texto pode me esclarecer e orientar que muitas vezes as crianças passam por momentos de tristeza a qual não damos muita importância, mas nem sempre esses momentos tristes passam por si só,dependendo do grau dessa tristeza a criança pode entrar em um quadro depressivo. É realmente importante observarmos esses momentos tristes para que possamos ajuda-las o quanto antes, seja em casa ou no ambiente escolar. O quadro depressivo quanto mais rápido for diagnosticado, mais rápido pode ser curado.

    Responder
  • Tania Regina Francisco  6 de junho de 2017 em 21:24

    Muito bom o texto, a depresão infantil é uma alteração psicològica , podendo surgir devido mudanças de estresse ou perda de pessoas importantes na vida dela. Assim temos que está sempre atento quando uma criança estã baixa auto- estima, dores de cabeça , desanimo, sem vontade de comer etc..Portanto devemos informar imediatamente a família .

    Responder
  • Augusto Manoel Ribeiro Junior  6 de junho de 2017 em 23:29

    A depressão que normalmente se manifesta na fase adulta do indivíduo, notoriamente já é verificada também nas crianças e adolescentes . Denominado por Teixeira (2013) como um transtorno incrivelmente incapacitante e grave, apresenta diversos sintomas como resultado do desenvolvimento no enfrentamentos dos complexos aspectos da vida na construção de sua identidade. Estes sintomas quando identificados, oportuniza seu tratamento e investigação das possíveis causas e gatilhos que desencadeiam a depressão infantil.

    Responder
  • Valdineia Quintino Gomes Evangelista  7 de junho de 2017 em 01:18

    excelente reflexão para profissionais da educação, quando uma criança começa a se isolar dos colegas, ficar irritada, caí no rendimento escolar é hora do professor chamar a família para entender o que acontece pois a criança pode esta desenvolvendo uma depressão infantil.

    Responder
  • Evelyn de Amorim Bastos  7 de junho de 2017 em 16:23

    Depressão é uma palavra muito “comum” nos dias de hoje, mas infelizmente muitas pessoas pensam que isso é apenas doença de adulto e esquecem que nossas crianças também possuem sentimentos,vontades,prazeres.Hoje o mundo está cada vez mais capitalista, mais tecnológico, padrões de beleza,etc chegam como bombardeios sobre todos incluindo nossas crianças, algumas famílias não sabem lidar com esse turbilhão que as vezes sem perceber jogam em cima das crianças e elas não fazem ideia como absorver tudo, assim ficam constrangidas e sem saber como lidar com algumas situações gerando a angustia, tristeza até se tornar uma depressão.

    Responder
  • Thaynara Regina Samora  7 de junho de 2017 em 16:50

    A depressão infantil apesar de não ser tão conhecida está cada dia mais presente nas crianças e adolescentes, é necessário que os pais estejam sempre atento aos seus filhos, aos possíveis primeiros sintomas para que eles não se tornem crianças depressivas.

    Responder
  • Zenaide Fernandes  7 de junho de 2017 em 20:51

    Zenaide Fernandes,07 de Junho de 2017 em 20:42
    O texto nos mostra o quanto é importante estar atento no comportamento das nossas crianças, dialogar significa dar uma abertura para ouvi-los, entender sua dor,os seus receios e suas neuras.E a importância da necessidade de informar a escola e a família.

    Responder
  • Zenaide Fernandes  7 de junho de 2017 em 21:01

    Zenaide Fernandes,07 de Junho de 2017 em 20:42
    O texto nos mostra o quanto é importante estar atento no comportamento das nossas crianças, dialogar significa dar uma abertura para ouvi-los, entender sua dor,os seus receios e suas neuras. Ás vezes temos que considerar a dor do outro, sem banalizar, e o primeiro passo para o conforto e a retomada dos sentimentos. A cura tem ser imediata.

    Responder
  • Claudia Santos Coutinho  8 de junho de 2017 em 08:45

    É sabido que as crianças merecem e precisam de atenção em todos os sentidos, mas os olhares muitas vezes não enxergam sinais de alerta que elas transmitem. Condições que acreditamos acometerem somente adultos podem surgir na vida dos pequenos e se tornarem um pesadelo na vida deles e dos pais. Os cuidados devem ser constantes e a atenção dispensada a eles também. No caso da “doença” citada no texto, os sinais comportamentais acionarão o alerta e as possíveis intervenções.

    Responder
  • Alcéia de Fátima Leite Barcellos  8 de junho de 2017 em 10:36

    Em todo processo de desenvolvimento da criança, é preciso um olhar atento dos familiares e profissionais da área para perceber que algo esta fora do normal, é fundamental observar o comportamento diferente do habitual, observar aspectos afetivos e emocionais.
    Com as interversões corretas podemos ajudar as crianças a superar seus conflitos emocionais e de firmação na construção de sua identidade. Devemos motivar as crianças a sair do isolamento, estimula-las a interagir nas atividades em sala de aula e recreativas da escola. E dentro do lar os responsáveis devem estimular um relacionamento familiar prazeroso, onde pequenas coisas como: as refeições, jogos, passeios; devem fazer parte da convivência para que ocorra um laço afetivo e que passam a se conhecer melhor e trocar experiências de situações vividas por ambas às partes e juntos resolverem conflitos e obstáculos que por ventura ocorram. Os pais devem auxiliar na formação psicológica e intelectual de seus filhos ajudando a autoestima e nas suas novas escolhas.

    Responder
  • Simone Cândida de Andrade  8 de junho de 2017 em 15:35

    O perfil atual das famílias acompanhou, ou melhor, teve que acompanhar as constantes mudanças (em todos os aspectos) da sociedade contemporânea. Esta constatação, somada a aspectos natos, explica o crescente número de crianças com depressão. Principalmente pelo fato de uma criança não conseguir compreender, contextualizar etc., e se enxergar como parte desse processo.

    Responder
  • Suênia Pádua  9 de junho de 2017 em 09:21

    As crianças são seres singulares e já nascem dotadas de emoções, aliás são movidas por elas. Acreditamos que por serem crianças, possuem características de crianças. Mas muitas vezes podemos nos enganar e os pequenos desencadearem alterações comportamentais, mais comuns em adultos. Ficar atento a qualquer alteração ou anormalidade é o que fará toda a diferença já hora de detectar que alguma coisa não está indo bem. A depressão infantil é mais comum do que se imagina.

    Responder
  • Helenir de A. Bertoldo Buker  9 de junho de 2017 em 09:35

    Assim como a infância é uma fase de grandes descobertas, onde a criança começa a perceber o mundo em sua volta e ao mesmo tempo questionar sobre tudo, é uma fase também onde os sentimentos e sentidos são aprendidos sendo estes passando a ter significados. Acredito que se a definição de tais sentimentos não forem devidamente colocados em seus reais significados, acaba por criar uma grande confusão na mente das crianças que ainda não possuem pensamentos formados e concretos de visão de mundo, desencadeando então este mal que é a depressão. Isso pode-se agravar na adolescência por ser uma fase de grandes mudanças e intensa transição onde o indivíduo se depara em não ser nem criança e nem adulto, sem contar os turbilhões de hormônios que afloram causando mudanças repentinas e muitas vezes dramáticas em seus corpos.
    Cabe a nós adultos, pais, responsáveis e educadores, manter os olhares atentos a qualquer sinal considerado incomum no comportamento destes, para que tal mal não venha a ter uma consequência drástica. Considero fundamental também ficarmos atentos para o excesso de informações que nossas crianças sofrem na atualidade.

    Responder
  • Larissa Vieira Ferreira  30 de junho de 2017 em 13:24

    Da mesma forma que os adultos sofrem de depressão as crianças também estão sujeitas a ela, situação que nos preocupa pelo fato de acharmos que não existe essa doença em crianças, justamente por serem crianças e que temos aquela impressão que elas não tem preocupações, não tem problemas, mas da mesma forma que os mais velhos, elas tem sim, desejos, sentimentos, medos que se não dado devida atenção pode-se tornar uma depressão. Precisamos enxergar mais o comportamento de nossas crianças e se precisarem de ajuda, ajudá-las.

    Responder
  • Luciene Barbosa Lepaus  1 de julho de 2017 em 21:15

    É preocupante o fato de que uma doença que anteriormente só nos remetia aos adultos hoje é percebida nas nossas crianças.Muitas vezes desenvolvidas por incompreensões infantis.Coisas que nem eles entendem como por exemplo o vazio de uma perda,que para nos adultos é um grande sofrimento,e que para eles é completamente estranho aquele vazio.Ocasionalmente é comum nos adultos não dar muita atenção a seu medos,desejos,ou até mesmo por acharmos que eles não compreendem.A sociedade precisa refletir sobre como diminuir essa sensação desses pequenos,fazendo com que tenham uma infância normal sem nenhuma preocupação com o mundo que os cerca.

    Responder
  • Geovana do nascimento Nascimento  2 de julho de 2017 em 15:09

    A depressão infantil pode está relacionada a problemas familiares, como falta de atenção,afeto e carinho, separação dos pais,nas quais as brigas constante entre os pais,não respeitando a presença de uma criança no recinto,morte de algum parente ou de um animal de estimação, mudança de colégio ou implicância dos colegas da escola. Situações das quais as famílias podem evitar sendo mas presente no dia dia da criança ,( casa e escola)

    Responder
  • tania lucia coimbra santos oliveira  4 de julho de 2017 em 13:20

    muitas pessoas não levam a serio a depressão ja ouvi pessoas falar que e frescura, a mente humana e uma caixa de segredos, e esta se modificando constantemente, fase infantil e uma fase que requer mais atenção pois eles absorvem muito do ambiente familiar escola e etc.prestar mais atenção nas nossas crianças e qualquer sinal negativo procurar ajuda de um profissional.

    Responder
  • Poliane Bitencourtt  5 de julho de 2017 em 14:42

    A depressão é uma doença muito comum nos dias atuais, principalmente entre os adultos, porém saber como ela age em crianças é algo triste e doloroso, como o próprio texto diz: “quando esta vida perde seu sentido e motivo de luta e continuidade, a força do retorno anterior ao nascimento parece se impor, talvez como uma forma extrema de fugir ou evitar a dor”.
    A fase da infância é um período de desenvolvimento e descobertas, e ver essas crianças se perdendo de si próprios é algo assustador.

    Responder
  • Natache Damasio  5 de julho de 2017 em 15:05

    Assunto pouco abordado com extrema importância. Pouco se fala sobre a depressão infantil, talvez por associarmos “depressão com problemas”, e pensarmos que as crianças não tem suas preocupações. Mas elas tem sim, preocupam-se em serem aceitas, em serem ouvidas, compreendidas, estimuladas. O cotidiano muitas vezes fazem com que passemos despercebidos por essas necessidades infantis. E saber ouvir e entender mais nossos pequenos, talvez ajudaria muito ao não desenvolvimento dessa doença.

    Responder
  • Ana Carla Jardim Rodrigues  5 de julho de 2017 em 23:27

    O texto serve de um alerta para quem não acredita ou iguinora depressão, principalmente a depressão infantil. Famílias tem que se despertar para tal tema, pois hoje é mais do que uma doença e sim uma realidade presente em muitas casas.

    Responder
  • katissiani  6 de julho de 2017 em 11:30

    Toda criança pode se sentir triste diante de alguma situação ou movimento da vida como perdas e mudanças infelizmente esses conflitos está presente em nossos cotidiano. Torna-se patologico quando esses sentimentos sao duradouros ou de forma exagerada esses assunto no qual muitos não da tal importancia acaba sendo muito preocupante.

    Responder
  • Patricia Batista Alonso  6 de julho de 2017 em 15:40

    A falta de atencao e carinho e um dos motivos que leva a crianca a depressao achar que a mae sempre gosta mais do irmao mais novo do que do mais velho pequenos detalhes que leva a crianca se sentir inferior as outras.

    Responder
  • Maima Jemilly Santos Silva  8 de julho de 2017 em 16:25

    Sabemos que é de suma importância que a criança tenha convívio social, o isolamento em questão faz com que essa criança se afaste e viva num mundo que é só dela. Elas, em sua maioria, não expressam com clareza o que querem, claro, que não são adeptas a diálogos conclusivos, isso faz com que não percebamos o quão necessitadas são de atenção. Observamos pouco o mundo da criança, geralmente não nos atentamos aos detalhes, não damos a devida atenção. Isso pode leva-la ao ápice de depressão. Falta de acolhimento no lar pelos pais ou parente mais próximos, isolamento dos colegas no ambiente escolar, são fatores que acabam deixando essas crianças cada vez mais isoladas e por fim tristes.

    Responder
  • Evelyn Cristina  8 de julho de 2017 em 18:15

    É triste ver que muitas pessoas ainda enxergam a depressão como uma ‘frescura’ e não como uma doença que também necessita ser tratada. É triste ver que as estatísticas de depressão infantil crescem dia após dia, o que só era acometido em adultos, hoje já se ver em todas as faixas etárias. Há um universo de possibilidades para colaborar com que a criança fique deprimida, por exemplo, desestruturação familiar, mudança de cidade, mudança de escola e etc. Por isso é sempre bom e importante ficar muito atento no desenvolvimento da criança e observar cada novo comportamento e assim, se necessário, procurar ajuda de um profissional.

    Responder
  • Luismar de Lima s. Teodorio  8 de julho de 2017 em 23:10

    Se lidar com um adulto que sabe expressar , teoricamente , melhor já é dificil , imaginar uma criança e tal situação parece ser até desesperador pois em suas infinidades de atribuições a criança não saberá dizer com precisão o que considera estar sentindo , pois há ali um mix de tudo ao mesmo tempo e com grau de intensidades diferentes.

    Responder
  • Miriam Almeida.  9 de julho de 2017 em 11:53

    Como vemos toda criança tem direitos, mas na sociedade em que vivemos os direitos de algumas crianças são violados. E triste ouvir dizer que uma criança não quer mais viver, ou estar com os amiguinhos com os pais, avós ir para escola, correr, brincar ou comer. Pensar em se matar? Essa criança não viveu nada ainda e já está desejando morrer!. Mas o ambiente a qual ela vive e a sociedade faz com que ela deseja não estar ali. por isso os pais tem que estar atentos, ainda mais de for filhos de pais depressivos a genética influencia muito. Com isso tudo devemos ficar atentos porque não e só adultos que dão depressão.

    Responder
  • Rafaela de Deus Freitas  9 de julho de 2017 em 22:22

    A depressão infantil tem atingido muito nossas crianças, e ate mesmo através dos pais que já se encontra com essa doença. Que tem sido o alvo no momento, fazendo com que as crianças se sitam culpadas das tristezas dos pais, pois devido essa situação acabam descontando em seus filhos. exemplo: há mães que dizem para os seus próprios filhos que eles não deveriam ter nascidos , se queixam se eles não aprende, os acusando com palavras desmotivadoras, onde eles se sitam incapacitados de aprender ou atá mesmo esta se socializando.

    Responder
  • suellen xavier  17 de julho de 2017 em 14:01

    A depressão infantil é um assunto muito sério, nossas crianças em vez de estarem aproveitando a fase da infância que e tão boa estão se isolando e se afastando dos pais, o ambiente familiar conta muito no desenvolvimento infantil, os pais estão se distanciando demais dos filhos, fata atenção, amor, carinho e muito dialogo, as vezes a criança se isola e os pais nem se quer percebem pois estão ocupados de mais com afazeres, é MUITO importante que os pais se voltem para seus filhos, conversem e demostrem afeto, as crianças precisam da atenção dos pais.

    Responder
  • Jackeline Batista de Almeida Soares  17 de julho de 2017 em 18:28

    A depressão infantil pra muitos é algo novo. Um adulto depressivo já é mais comum. mas será que a depressão de um adulto já o tem acompanhado desde a infância? O que os pais falam para os filhos é de suma importância para o bem ou para o mal. Crianças que cresceram ouvindo palavras rudes dos pais, sem afeto, sem carinho, sem compreensão; crescerão com baixa autoestima e frustradas consigo mesmas. Digo por experiência própria.

    Responder
  • christian carla neves de souza moreira  18 de julho de 2017 em 10:22

    A depressão infantil tem sido considerada um dos transtornos emocionais mais prevalentes entre crianças e adolescentes,o que justifica contar com os instrumentos válidos e precisos para mensurá-la.Muitas das vezes a depressão começa dentro de casa e os pais nem percebe.

    Responder
  • Evelyn Alves da Cruz  18 de julho de 2017 em 18:27

    Entender o que se passa dentro da mente de uma criança exige prestar atenção em suas ações. Toda criança quando passa por algum trauma deixa isso transparecer em algum momento. Lidar com a depressão infantil é difícil, pois nenhum pai e nenhuma mãe se sentem confortável para admitir que seu filho apresente algum problema. Então nesse momento entra o trabalho dos professores e profissionais da educação infantil, ao diagnosticar em uma criança essa doença chamada depressão devem dentro do ambiente escolar iniciar o tratamento.

    Responder
  • Fabricia Perovani da Rocha  19 de julho de 2017 em 01:28

    É extremamente entristecedor lidar com essa doença_ depressão. Considero ainda mais complexo na fase infantil, onde talvez ainda esteja se formando o caráter da criança e as fases de seu desenvolvimento. É necessária total atenção por parte dos pais e profissionais que cercam esta criança, atentando aos menores sinais apresentados, para que não haja uma evolução negativa.

    Responder
  • LARISSA DUARTE CALDERIA  19 de julho de 2017 em 12:39

    Hoje para cada casal que pensa em ter um filho, deve passar por uma analise para saber e entender o que é criar uma criança, depressão é um caso muito serio infelizmente nem todas as pessoas planejam mais em ter um filho, vemos muitas jovens tendo um filho precocemente, o que pode ocasionar pela imaturidade a incapacidade de criar um filho, a depressão em uma criança por se sentir rejeitada, ou não completamente amada pelos pais, por não ter os pais juntos, a escola também pode ajudar a identificar na criança um sintoma de depressão, pelas ações e comportamento e comunicar aos pais as situações vivenciadas, para o tratamento da criança.

    Responder
  • Toaeny Cristina  19 de julho de 2017 em 18:48

    Ao contrário do que muitos pensam, crianças também sofre de depressão ela acontece muitas das vezes quando os pais se separa ela cria idéias na mente, além de ser sentir culpada pelos motivos dos transtornos vividos em casa devemos ter cuidado com os sintomas que venha causar na criança afeta a auto-estimar, transtorno emocionais ela acaba se isolando por isso é muito importante toda atenção dobrada com o filho o carinho e o diálogo no dia a dia.

    Responder
  • Marcela Olivera  19 de julho de 2017 em 23:32

    Fatores hereditários podem desencadear na criança os mesmos problemas sofridos pelos pais,nesse caso a depressão. A criança nas fases iniciais de vida precisa sentir-se amada e querida. É preciso estar atento ao desenvolvimento cognitivo de uma criança desde o seu nascimento. A linguagem, a percepção, a memória, o raciocínio devem ser sempre bem estimulados pelos pais para que seu desenvolvimento seja o mais saudável possível.

    Responder
  • Mikaela Calmon  21 de julho de 2017 em 13:51

    Muitas vezes os pais não dão a atenção que seu filho merece, não se importam com oque acontece no dia a dia dos teus filhos, assim passando para tal a falta de interesse em sua vida.
    Deixam de dar atenção e carinho para a criança para dar conta muitas vezes das tarefas domesticas e de trabalho. Na fase inicial da vida da criança, ela necessita de carinho e um olhar mais profundo principalmente dos pais, procurar saber como está na escola e acompanhar de perto o desenvolvimento.
    Em algumas vezes a depressão infantil vem por meio de uma separação dos pais, acontecimentos na escola como bullying, isso tudo causa um isolamento da criança. Não só os pais, mas os professores também devem ficar atentos ao comportamento das crianças em qualquer ambiente social.

    Responder
  • Ruth Ribeiro  21 de julho de 2017 em 16:25

    A depressão é uma coisa muito séria, ao contrário do que muitos pensam que é frescura, que só querem chamar atenção, mas não, ela é uma doença e precisa ser tratada o quanto antes,principalmente nas crianças que são tão frágeis, e que também podem sofrer com isso, devemos sempre estar atentos as essas situações.

    Responder
  • Kaila S Plinio 1° Período de Pedagogia  21 de julho de 2017 em 19:59

    O principal fator para a depressão infantil é causado pela falta de ambiente familiar, as crianças sentem falta de um carinho de mãe e pai que muitas vezes estão acontecendo de já nascerem com pais separados…
    Elas se sentem excluídas pelo fato de ter uma reunião na escola e os pais não estão sempre juntos e vê os outros coleguinhas acompanhados dos pais, não tem dialogo em casa e acaba que os pais não dão atenção que os filhos merecem e não percebem o quão distantes estão de seus filhos e acaba causando a depressão infantil.

    Responder
  • azenilda  22 de julho de 2017 em 09:15

    despertamento e esclarecimento e muito importante para os pais e professores quanto a de pressão infantil,os pais conhecendo melhor seus filhos poderá detectar que algo esta errado com eles,e assim poderá ajudá-los antes que o pior aconteça.ao acompanhar o desempenho e o comportamento de uma criança ou ate mesmo de um adolescente e importante para ajudá-los, os professores também tem um papel muito importante ao observar e acompanhar esses pequenos durante o seu desenvolvimento.

    Responder
  • jessica gonçalves  22 de julho de 2017 em 15:59

    O texto nos mostra o que pra muitos e desconhecido que e a depressão na infância, no momento em que a criança estar em pleno desenvolvimento, essa depressão infantil pode ter vários motivos, e deve ser trabalhada com mais atenção. As vezes a criança não sabe lida com certos tipos de emoções e acaba sofrendo uma depressão, se isolando de suas atividade do dia a dia Pais devem ficar muito atentos aos comportamento de suas crianças.

    Responder
  • Priscila almeida  23 de julho de 2017 em 22:02

    Depressão: doença silenciosa como se aprofundar em covas, uma sensação de perturbação e conflito com seu próprio coração, mas quando falamos da doença em momento infantil, vira uma batalha, Porque se trata de um pré-conhecimento de sentimentos, não sabendo de fato o que esta acontecendo dentro de si, às crianças costuma se isolam iguais os adultos, mas sendo diferenciado em pequenos aspectos.
    Evitar essa doença é fácil, basta saber explicar e ficar atento ao que a criança esta fazendo e se relacionando com os demais, muitas coisas pequenas podem trazer problemas na sua fase adulta.

    Responder
  • Izimar A. da Costa  23 de julho de 2017 em 23:03

    A falta de de uma boa convivência com os familiares leva a criança ter distúrbios que causa a depressão uma criança precisa de um lar envolvido com muito amor para que sua infância seja regada de elementos que vai auxiliar o se desenvolvimento.A falta de atenção dos pais com os filhos podem levar a grandes problemas,muitos pais deixam de ficar com os filhos no tempo que tem livre não procura saber o que a criança ta passando deixa sempre os filhos para depois e ai que acumula vários fatores que leva a criança sofrer desde de cedo .

    Responder
  • Thais Vilela  24 de julho de 2017 em 23:43

    Um lar emocionalmente comprometido é um dos principais meios de uma criança vir a sofrer depressão! a falta de afeto ou até uma cobrança excessiva leva a criança, que ainda esta em fase de formação, a desencadear milhares de frustrações onde infelizmente acaba se perdendo emocionalmente.

    Responder
  • Luciene de Paula Tinoco Perim Rangel  25 de julho de 2017 em 11:16

    Como relatado acima a criança também sofre com depressão. Sendo assim é necessário um olhar especial a certos comportamentos infantis, que por razões diversas podem desenvolver um quadro depressivo, podendo levar ao suicídio. seja em casa ou na escola a criança tende a manifestar de alguma forma comportamentos que passará por um acompanhamento de um profissional a partir de um analise clinica. Os pais ou responsável deve estar atentos ao comportamento das crianças e adolescentes.

    Responder
  • Antonio Carlos do Carmo  25 de julho de 2017 em 23:15

    A depressão infantil é uma doença grave, não levar a sério os sinais apresentados pelas crianças e adolescentes, pode agravar a situação, e retardar o diagnostico e tratamento. A referida doença é desconhecida pela maioria das pessoas, e deveria ser mais difundida para maior esclarecimento, prevenção e tratamento.

    Responder
  • Thais Conceição  26 de julho de 2017 em 13:41

    Texto excelente .
    Depressão é uma doença pouco discutida mas grave principalmente nas crianças , devemos ficar atentos nas mudanças de hábitos do dia a dia para que possamos identificar uma depressão e orientar a criança bem no começo para não agravar a situação dessa criança e não prejudicar seu desenvolvimento .

    Responder
  • Taisa De Lima Lira  27 de julho de 2017 em 14:31

    Esse texto é muito interessante pois nos leva a refletir com o cuidado de nossas crianças,e a entender que depressão não só acontece com adultos. Esta atento aos sintomas que as crianças apresentam não é frescura,deixa certas situação de lado só piora as coisas. esta sempre cansado e sem tempo para seus filhos,deixando-os sozinhos não ajudará a criança,entendo que crianças absorvem tudo a sua volta sem filtra as coisas. a parti do momento que se detecta algo de errado com seus filhos busca ajuda profissional e o primeira opção que deve ser feita para uma melhora da criança.

    Responder
  • vanda bento  29 de julho de 2017 em 19:15

    O texto serve de alerta para o individuo que nao acredita que a depresao existe.muitas pessoas nao levam a serio.
    DA mesma forma que os adultos sofrem de depressao a criança esta sujeito ao mesmo sintomas,precisamos ficar atentos com nossas crianças,elas dependem de nós.

    Responder
  • Geilza de Souza Delfino Gomes  29 de julho de 2017 em 22:44

    Este mal que assola o século no qual vivemos hoje já é tão alto destrutivo para um adulto imagina para uma criança. Eu acredito sim que em um histórico familiar de pessoas depressivas a criança tende sim a sofrer com este mal tão alto destrutivo, cabe aos pais com todo seu amor e carinho terem a sensibilidade de ao menor sinal deste mal em seu filho buscar ajuda-lo seja com mais amor seja com intervenção medica seja principalmente com muita entrega ao nosso Deus.
    Eu penso que a depressão nas crianças muitas vezes é pior do que nos adultos , pois a criança muitas vezes não consegue expressar o que está sentindo dificultando assim o diagnostico da depressão, então fiquemos atentos as nossas crianças que são tão dependentes de nós adultos.
    Lembre-se sempre amor,carinho e principalmente fé em Deus sempre nós ajuda a superar as dificuldades.

    Responder
  • Jadson Rodrigues de Assis  10 de setembro de 2017 em 16:50

    Família: papel importante no desenvolvimento de nossas crianças , precisamos estar atentos a todos sinais que nossos filhos possam dar por menor que seja , na grande maioria pedem Socorro em silêncio , e de suma importância a parceira dos pais com os professores , que muitas das vezes são eles que identificam os primeiros sinais , que algo não esta normal.
    A falta de estrutura familiar vem contribuindo para o crescimento de cada vez mais para essa triste realidade.

    Responder
  • Renilda Felicio Leonidio Silva  14 de setembro de 2017 em 22:48

    A depressão infantil tem preocupado muitas famílias e profissionais.É tamanha a correria do dia a dia que os pais nao tem percebido que há algo de errado com os filhos.muitas vezes a dificuldade da criança é percebida só na escola.Precisamos tentar ao máximo estar mais atentos aos nossos filhos,observar,dialogar,conhecer e ouvir as crianças pode ser passos fundamentais para evitar alguns problemas ou até buscar ajuda antes que a situação fique pior.

    Responder
  • Ana Ligia Meira  21 de novembro de 2017 em 21:43

    Ouvir falar em depressão nos dias de hoje é muito comum. A depressão infantil é algo muito grave, pois crianças ainda estão aprendendo a lidar com suas emoções, nem sempre sabem se expressar de forma que os adultos entendam o que está de fato acontecendo.
    Cabe a família está atenta aos sinais do dia a dia, na escola os professores terem esse olhar cuidadoso. Precisamos dialogar mais com as nossas crianças, dar toda atenção necessária, ouvir tudo que elas querem falar e perguntar sempre como foi o seu dia. Toda atenção é pouca! Seja os pais, seja os professores, todos nós temos essa missão de proteger os nossos pequenos.

    Responder
  • Cristina Pereira Gomes de Azeredo  10 de dezembro de 2017 em 19:19

    A infância é uma fase em construção nos seus diversos aspectos e potencialidades.Nem todos, principalmente as crianças,são capazes de superar a dor ou o sentimento de impotência e perdas.Muitos convivem com situações traumáticas se refugiando em busca de sua identidade.Quando se sentem vencidas pelos os sentimentos desmotivadores, são capazes de se isolarem, podendo chegar ao quadro de depressão.
    Várias são as causas da depressão, desde as genéticas até as de fatores ambientais, porém quanto mais cedo a descoberta, maior a possibilidade de devolver ao sujeito o prazer de viver a infância no seu sentido mais singelo.

    Responder
  • PATRÍCIA FRANÇA GUIMARÃES  13 de dezembro de 2017 em 11:22

    Ao contrário do que se pensa, ser criança não é tão fácil. Ter que trabalhar com tantos conflitos internos e sem poder contar com a compreensão familiar quando manifestado por elas, pode gerar comportamentos depressivos.
    Somente o fato de vir para a escola já podem desencadear nelas “N” conflitos como: sensação de abandono pelos pais quando os deixam no portão da escola, o enfrentamento diante do aprendizado de tantas coisas novas e a incerteza de que vão aprender, a relação com o outro e com o espaço novo a frequentar…enfim, todos esses conflitos podem ser demonstrado em mudanças no seu comportamento que pode ir da apatia muito grande à uma grande irritabilidade, choros e qualquer que seja o comportamento que difere do que é normal dentro do seu temperamento, merece ser investigado a fim de evitar que caminhe para uma depressão.

    Responder
  • Robson De Araujo Merlo  14 de abril de 2019 em 01:52

    Por se tratar de uma doença grave é assustador como não nos atentamos a isso em pleno seculo XXI. Mesmo com toda a tecnologia ainda se ouve dizer que a depressão é ‘frescura’ ‘rebeldia’ ou ate mesmo uma forma de chamar atenção da criança e do adolescente. A necessidade de nós estarmos atentos é enorme, tanto como amigos ou profissionais para ajudar a criança ou adolescente a encontrar uma saída. A família é essencial para o desenvolvimento interno e externo da criança, como se a criança fosse um reflexo do ambiente familiar que vive.

    Responder
  • Jorly Cardoso Ottoni  18 de abril de 2019 em 14:20

    Uma criança sadia consegue manter seu foco nas tarefas do dia a dia, ao contrário da depressiva que perde seu foco em diversos momentos sejam eles em casa, escola, rua, entre outros em qualquer tipo de ambiente.
    Estar atento sempre vai ser uma ótima arma contra os males da depressão em seu início e nela já manifestada.
    Lembramos que a depressão é tão complexa que nem sempre uma família perfeita é sinal de saúde mental perfeita.

    Responder
  • Quezia Airam  18 de abril de 2019 em 18:17

    É fato, que por vezes nós não nos atentamos ao comportamento da criança, e por conta dessa falta de percepção de um adulto sobre o menor, que indícios de uma depressão são ignorados, levando assim, com que esse sentimento de melancolia se prolongue e o acompanhe até a vida adolescente e adulta, chegando ao ponto de até mesmo pensar em suicídio. E é chocante pensar que nossas crianças ja tão cedo, passam por sentimentos tão comflitantes ao ponto de pensarem em dar fim a propria vida. E em consequência desse desamparo, tanto famíliar e social, que as crianças ficam completamente a mercê e frágeis ao ponto de serem influenciadas por jogos como a baleia azul, que foi destaque em vários locais de comunicação, por conta de suicídios de crianças.

    Responder
  • Gleice Gonçalves Oliveira  19 de abril de 2019 em 15:52

    Algumas crianças no meu entendimento já nascem depressiva, pois no momento de sua gestação, algumas mães passam por diversas situações que acabam passando para seus bebês, situação de violência, falta de carinho, muita dessas mulheres não estão amadurecidas a ponto de entender, que está gerando um ser , quando nascem acabam desenvolvendo estes sentimentos que geram depressão sem que os pais percebam.

    Responder
  • Marina Mattos  19 de abril de 2019 em 21:17

    Infância, A melhor fase da vida.. Será ?!
    Para algumas crianças, essa realidade pode ser totalmente diferente. Pois crianças podem sim ter depressão! O rendimento escolar cai, vem a dificuldade na aprendizagem, falta de energia, do interesse pela vida.. mas tão jovens.. Por que ? A causa dessa depressão infantil pode ser gerada por diversos fatores, como ambientes inseguros onde vivem, abuso sexual, maus tratos, bullying e até mesmo a depressão dos proprios pais! Nessa fase é muito importante a total atenção desses responsáveis no comportamento delas, pois as vezes a criança não reconhece que precisa de ajuda ou até mesmo está com esse problema então fica difícil de dar o primeiro passo. O ideal são práticas para que o quadro mude, como exercícios ao ar livre em um lugar bacana, criar rotinas para que a criança se sinta segura exaltando suas qualidades. Às vezes adotar um animal de estimação ajuda bastante, ou seja observar ter atenção e começar um acompanhamento com um profissional de saúde mental o mais rápido possível. As crianças de hoje são o futuro de amanhã. Então cuide bem delas.

    Responder
  • Emanuelle de Araujo Celis  20 de abril de 2019 em 01:51

    A criança quando exposta a um ambiente, com pais instáveis pode ser tornar mais propensa a depressão.
    É fato indiscutível que há diversas causas para a depressão, pois como diz no texto ela pode ser tanto genética quanto de estresses em seu ambiente de convívio.
    Como cuidador, devemos ficar atentos as crianças e ao seus comportamento. Pois quando mais cedo descoberta, mais fácil é o seu tratamento.

    Responder
  • Eferson michel guinsber  20 de abril de 2019 em 02:58

    O incrível é saber que muitas de nossas crianças estão passando por isso,e cabe a os professores e até os pais te a atitude de procurar meios e profissionais que possam ajudar -las encontra uma forma de ajuda.

    Responder
  • bruna alvarenga  20 de abril de 2019 em 13:45

    Devemos nos atentar para os sinais dados pelos nossos filhos , pois a criança não sabe nomearas próprias emoções , crianças que são muito arteiras quando começa a se retrair ficar muito isolada , separar-se das pessoas que lhe servem de referencia , portanto esses sinais são muito importante a serem investigados .

    Responder
  • Patrícia Romualdo  20 de abril de 2019 em 16:47

    Muito pensam que criança não tem depressão só por serem criança, por não terem responsabilidades, não tem motivos para ter uma depressão.
    Crianças estão em desenvolvimento, na fase de aprender, tudo ao seu redor e tem assuntos que são complexos demais para entender.E por serem novos não sabem lidar com emoções de tristeza e acabam se isolando levando a depressão, vários motivos pode levar uma criança a depressão seja no ambiente escolar ou familiar. É difícil identificar, quando uma criança está com depressão, os responsáveis pela criança tem que ter um olhar pra identificar esses sintomas, e pedir ajuda de um profissional.

    Responder
  • Ellen Cassia  21 de abril de 2019 em 00:06

    Este texto trouxe uma boa reflexão para profissionais da educação, e também pra qualquer outra pessoa que tenha sensibilidade para poder observar, que quando uma criança começa a se isolar dos colegas, ficar irritada, retraída, cair o rendimento escolar, ficar triste, é hora do professor chamar a família para entender o que está acontecendo. Pois a criança pode esta desenvolvendo uma depressão, e o quanto antes for diagnosticada, mais rápido será tratado, descartando assim situações mais extremas.

    Responder
  • Ester Domingos d e Oliveira  21 de abril de 2019 em 04:14

    “Depressão infantil”, frase dificil de ser dita, ate porque nossa mente quando se pensa em crianças ja entra em destaque criança correndo, brincando e alegre. Porém depressão infantil existe sim, e é importante estarmos atentos a cada detalhe, mesmp que minimo criança. Varios são os fatores que desencadeam a depressão na criança, como convivencia com pessoas agressivas, falta de afeto, bullying, maltratos, abusos e muito mais. Essa estado de espirito pode causar efeitos graves a saúde e para seu desenvolvimento. Pode causar cansaço, dores no corpo, desanimo, insonia, desmotivação, stress, pensamentos suicidas, etc. Isso afeta diretamente em seu desenvolvimento.
    Deve-se observar com atenção e zelo para as atitudes e para o desenvolvimento da criança.

    Responder
  • Marilza vergueiro  21 de abril de 2019 em 10:39

    Os pais e professores devem ter um olhar atento as crianças , no seu comportamento em casa, na escola, procurar sempre conversar com a criança, pois a depressão infantil não é frescura e nem besteira da cabeça, é uma doença que pode levar até a morte.

    Responder
  • Andressa Merscher  21 de abril de 2019 em 13:26

    Detectar a depressão na criança, proporcionar a ela confiança para vencer a doença é de extrema necessidade, os pais precisam de auxilio profissional para que sua postura seja adequada no longo caminho que eles precisam percorrer.

    Responder
  • Raquel  21 de abril de 2019 em 14:33

    Excelente texto que ressalta a importância de olharmos aos primeiros sinais de mudanças no comportamento infantil a importância de levar logo essa criança para se tratar juntamente com a família que por muitas vezes está doente também… Importante que as famílias tenham terapia familiar para trabalhar e tratar todos , principalmente para indentificar a base de todo o problema.

    Responder
  • Daiane Marcial  21 de abril de 2019 em 15:51

    Muitas casos em que os professores ou babás são os que identificam a criança com comportamento diferente, pois os pais na correria do dia a dia não estão conseguindo organizar o tempo para cuidar de forma presente da saúde e educação de seus filhos. Nesse caso como profissional da área comunicaria aos pais a situação e indicaria um tratamento adequado, para o bem estar da criança, pois nossos pequenos as vezes vivem de forma sofrida por não serem observadas e cuidadas com a atenção e amor que merecem.

    Responder
  • Júlia Furlani  21 de abril de 2019 em 21:13

    Na visão da sociedade, os sintomas apresentados no texto são vista como uma fase de rebeldia, com isso vemos como é grande a falta de informação dos mesmos e que a depressão infantil na maioria das vezes está em uma situação grave. Não é somente os psicólogos, psiquiatras e terapeutas que tem que estar atentos a estes sintomas, familiares e profissionais da área escolar também devem ter conhecimento e atenção.

    Responder
  • Késia Resende Francisco  21 de abril de 2019 em 21:54

    Como o texto diz, pais depressivos tendem a ter filhos com essa probabilidade. Na infância principalmente, as crianças tem os pais como espelhos, assim, tendem a querer ser o que os pais são, e, pais depressivos, filhos depressivos. Cabe a esses pais observar esse tipo de comportamento em si mesmo e em seus filhos, procurando assim, ajuda profissional para toda a família.

    Responder
  • Joilson da Silva Costa Junior  21 de abril de 2019 em 23:39

    Crianças não passam pelo processo de desenvolvimento da mesma forma, embora todas passem pelos mesmo estágios, existe singularidade pra cada criança, podem compartilhar certos padrões de comportamento, mas cada criança tem o próprio tom da vida, oque exige um olhar minucioso dos pais, cultivar a ideia de que a depressão é um transtorno existente na vida dos pequenos é indispensável, ser ativista em propagar essa ideia nunca é de mais, criando uma esfera preventiva, afim de reduzir essa essa estatística crescente.

    Responder
  • Meiriana  22 de abril de 2019 em 08:51

    Ótimo texto, nos faz refletir das consequências que a depressão infantil traz para nossas crianças. Os pensamentos suicidas e por fim ato suicida. De como nossas ações podem influenciar nessa terrível decisão, de uma criança ter tanta dor que a única saída encontrada por ela é tirar a própria vida.

    Responder
  • Ester Domingos de Oliveira  22 de abril de 2019 em 09:37

    É necessário sempre está atento às atitudes de nossas crianças, pois cada uma tem seu jeito de lidar com a vida.
    Nem toda criança aceita uma correção como a outra, devemos estarmos de olhos abertos no desenvolvimento social e self de uma criança. Pois a depressão ao contrário do que é pensado normalmente que só acontece no fase adulta, ela também acontece na infância e está crescendo cada vez mais. Precisamos estarmos atentos para que possamos tomar as atitudes adequadas. É bom que o familiar ou familiares que notarem a diferença procure um atendimento com um psicólogo ou um profissional da área para que saiba como lidar com essa situação e muitas vezes saber o motivo no qual levou a criança a tal problema.

    Responder
  • Alessandra Mariani Littig  22 de abril de 2019 em 20:33

    A depressão infantil exige um olhar apurado dos pais, sabemos que cada criança se desenvolve de forma distinta, crianças são flexíveis, mesclam com mais facilidade os sintomas da depressão ao seu dia-a-dia, tornando o sintoma em uma característica, tevemos sempre nos mater atentos, aptos a diálogos como fim de observa minuciosamente o pedido de Socorro abstrato delas.

    Responder
  • Alessandra Mariani Littig  22 de abril de 2019 em 20:35

    A depressão infantil exige um olhar apurado dos pais, sabemos que cada criança se desenvolve de forma distinta, crianças são flexíveis, mesclam com mais facilidade os sintomas da depressão ao seu dia-a-dia, tornando o sintoma em uma característica, devemos sempre nos mater atentos, aptos a diálogos como fim de observa minuciosamente o pedido de Socorro abstrato delas.

    Responder
  • Ana Carolina Brandão  22 de abril de 2019 em 22:47

    a depressão infantil é complexa pois a criança não sabe ao certo o que está sentindo ,pois ainda está em desenvolvimento
    sendo que a criança pode aparentar comportamentos explosivos e também pode haver a retidão da fala e sentimentos ,o acompanhamento durante a infância é essencial para que casos de depressão possa ser diminuídos

    Responder

Deixe um comentário

Por favor, insira seu nome. Por favor, indique um endereço de email válido. Por favor, indique uma mensagem.